Customização e experimentação: para não esquecer da última década

22 01 2010

Estamos em 2010. Concluímos mais uma década cheia de fatos revolucionários no mercado fonográfico. Entre elas, tivemos que acompanhar uma constante mania de novidades eletrônicas, as quais passaram a função básica de nos transmitir tudo o que havia de novo (e velho) no universo da música.

Provavelmente, os adolescentes foram o que tiveram mais sucesso quando se trata de estarem sempre antenados e acompanhando a evolução do mercado fonográfico cronologicamente. Já outra grande parte da população não conseguiu nem responder seus e-mails, twitts e outras coisas que a rotina demandou. Por isso, hoje decidi falar sobre algumas transformações que a música enfrentou, aliada a outras evoluções – ou não – ao seus figurinos e conseqüências que esse mix pôde causar. Enquanto tudo aconteceu, eu, como a maior parte do planeta, talvez não conseguiu dar conta de tantas novidades. Mas calma, vamos tentar recapitular.

Folks and indies



Entre as primeiras bandas de indie que surgiram na Inglaterra e outras novidades “pop folks” como Kate Nash, as baladas alternativas trouxeram um toque de moda vintage e retro para os anos 2000. Além das saias e vestidos rodados e cinturas altas, podemos dizer que o sexo masculino também usufruiu resgatando os coletes de alfaiataria, sapatos, suspensórios e outros acessórios que certificam esse estilo quase que predominante atualmente.

Glamour rock

Um pouco anos 90, mas com mais finésse aos figurinos contemplados com tachinhas, tules, couro e roupas pretas. Foi uma aposta que deu certo e trouxe charme para muitas estrelas do rock, assim como os desfiles de Marc Jacobs, em 2008/2009, por exemplo. Não está lembrando quem aderiu ao visual? A vocalista do Yeah Yeah Yeahs, Karen O, pode ser o maior exemplo.

New Grunge



Camisetas legais misturadas com calças jeans skinny bem surradas e um cabelo estilo “argentino”. As meninas adoraram combinar looks que recuperaram um pouco da moda underground dos anos 80/90.  Shorts jeans desfiados, camisetas ou até uma camisa de flanela. Foi uma opção bem arrojada para muitas tops, atrizes e claro, bandas do mundo inteiro.

Hype

Bem, como algumas coisas são fora do alcance dos outros, a moda e a música hype não tiveram limites nos últimos meses. Alvos de gozação em muitos sites que falam de pessoas cafonas, os looks ultrapassaram um pouco do que a música new wave tentou transmitir.  Os sons com mais eletro e efeitos do que rock até que foram bem aceitos nas pistas, mas, a ousadia entre cores contrastantes, brilhos e acessórios não agradou muito à moda, que pretendia ter outro conceito de looks.  O Hype é bem limitado, tanto na música como na moda. A música, não dá pra ouvir sempre. E a sua moda fica na medida com apenas uma peça do estilo. Daí sim!

Diego Cattani - designer de acessórios

Pops, lóquis e etc…

Claro que se fossemos falar de figurinos, teríamos muito texto pela frente. O body, usado por Lady Gaga, Katy Perry, Beyoncé e outras cantoras pops também foram mania, mas não contribuíram muito para as tribos musicais. Tenhamos medo do que 2010 nos prepara. Iria agradar a muitos de nós que uma leva de “new punk” ressurgisse das trevas. As calças skinnys já estão por aí, só falta uma boa banda de três acordes para lançar!

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: