Humbug: por uma novidade

8 09 2009

Sei que entre uma busca e sua do Google, meu blog surge. Porém, ao entrar nele se percebe que o espaço está um pouco abandonado.

A explicação é que, no meu último semestre do curso de jornalismo, o vício teve que ser esquecido por um tempo. Este blog não morreu, ele apenas está sendo amigo com meu diploma, tcc e experiência no mercado de trabalho.

Para provar que a paixão pelo mesmo continua, assim como a preferência por este conteúdo dedicado a roqueiros estúpidos, nojentos e que agradam a todos nós com seu talento, aqui vai uma breve resenha de CD.

Humbug – Arctic Monkeys

humbugEle estava me esperando, sempre no topo da lista da minha biblioteca de mídia do Windows Media Player. O último disco do Arctic Monkeys demorou para me dizer o que ele realmente é, mas agora, acho que já estou preparada para te contar.

Produzido por Josh Homme, líder do Queens Of The Stone Age, Humbug está (sim) com novidades em relação a Favourite Worst Nightmare, de 2007, e Whatever People Say I Am, Thats What I’m Not, de 2006.  Quem conferiu o show do quarteto noTim Festival de 2007 pode confirmar que os gestos afirmavam ritmos rápidos, poucos acordes e aquele tom blasé dos novos indies ingleses.

arcticPodemos dizer que neste álbum há mais espaços para métricas quebradas e a criatividade das guitarras. Sem querer puxar o lado dos Monkeys, porque sei que eles não são o melhor exemplo de simpatia, não dá para dizer que a banda é só mais um produto indie. A produção do novo trabalho busca detalhes desde os riffs até os vocais que Alex Turner canta.

Sombrio, mais pesado ou até mesmo chato para quem não curte essa falta de cultura pop para as pistas, não há como não gostar dos sons novos. A melhor coisa que podemos perceber com atenção é que, se o disco for escutado com calma e repentinamente, vicia e até provoca alguns passos de dança.

Minhas preferidas de HumbugCrying Lightning, Dangerous Animals e Cornestone.

http://www.arcticmonkeys.com