Humbug: por uma novidade

8 09 2009

Sei que entre uma busca e sua do Google, meu blog surge. Porém, ao entrar nele se percebe que o espaço está um pouco abandonado.

A explicação é que, no meu último semestre do curso de jornalismo, o vício teve que ser esquecido por um tempo. Este blog não morreu, ele apenas está sendo amigo com meu diploma, tcc e experiência no mercado de trabalho.

Para provar que a paixão pelo mesmo continua, assim como a preferência por este conteúdo dedicado a roqueiros estúpidos, nojentos e que agradam a todos nós com seu talento, aqui vai uma breve resenha de CD.

Humbug – Arctic Monkeys

humbugEle estava me esperando, sempre no topo da lista da minha biblioteca de mídia do Windows Media Player. O último disco do Arctic Monkeys demorou para me dizer o que ele realmente é, mas agora, acho que já estou preparada para te contar.

Produzido por Josh Homme, líder do Queens Of The Stone Age, Humbug está (sim) com novidades em relação a Favourite Worst Nightmare, de 2007, e Whatever People Say I Am, Thats What I’m Not, de 2006.  Quem conferiu o show do quarteto noTim Festival de 2007 pode confirmar que os gestos afirmavam ritmos rápidos, poucos acordes e aquele tom blasé dos novos indies ingleses.

arcticPodemos dizer que neste álbum há mais espaços para métricas quebradas e a criatividade das guitarras. Sem querer puxar o lado dos Monkeys, porque sei que eles não são o melhor exemplo de simpatia, não dá para dizer que a banda é só mais um produto indie. A produção do novo trabalho busca detalhes desde os riffs até os vocais que Alex Turner canta.

Sombrio, mais pesado ou até mesmo chato para quem não curte essa falta de cultura pop para as pistas, não há como não gostar dos sons novos. A melhor coisa que podemos perceber com atenção é que, se o disco for escutado com calma e repentinamente, vicia e até provoca alguns passos de dança.

Minhas preferidas de HumbugCrying Lightning, Dangerous Animals e Cornestone.

http://www.arcticmonkeys.com

Anúncios




Brody Dalle está de volta

14 01 2009
brody_4

Brody Dalle

Brody Dalle finalmente disponibilizou um pacote completo de novidades. Mãe, esposa de Josh Homme e com banda nova, ela está diferente, e, sim, continua cantando com suas rouquidões.

Depois do fim do seu quarteto punk, The Distillers, Brody Dalle ficou longe dos palcos para cuidar de Camille, filha da cantora com o líder do Queens Of The Stone Age, Josh Homme. A ausência de Brody já deixava uma escassa falta de vocais rasgados e fortes para o rock. Foi então que ela uniu forças com Tony Bevilacqua (ex-Distillers) e convidou Jack Irons (Red Hot Chilli Pepperrs, Pearl Jam) e Alain Joahnness (Eleven, Queens Of The Stone Age) para formar Spinnerette.

brody_3

Josh Homme e Brody

Segundo Brody, Alain havia se oferecido para gravar algumas músicas que a cantora andava escrevendo, e, assim, virou integrante do grupo. No início de 2008, Brody anunciou que estava gravando novidades com seus novos parceiros da Spinnerette. Desde então, foram poucos esclarecimentos ao fãs, pois não havia vestígios sobre Dalle. No segundo semestre do ano passado, o hit “Valium Knight” já estava tocando nas rádios alternativas de Los Angeles, e os fãs brasileiros continuaram aguardando por mais notícias, gritos e vocais da cantora.

Em entrevista para a L.A. Weekly, Brody declarou que finalmente sente ter encontrado as pessoas certas para gravar suas músicas e que sabe exatamente pra onde quer ir. A cantora falou sobre sua filha de três anos, contando que Camille já ganhou uma mini bateria e que já está seguindo os passos dos pais. “Ela gosta de cantar no estúdio e já escreveu sua primeira canção, chamada Star Star Star”. Brody transpareceu estar segura, positiva e querendo fazer o que ela faz desde os seus oito anos de idade: música!
brody_21

Brody, em show da Spinnerette

Por enquanto, o EP “Gheto Love” é a apenas o começo do que a Spinnerette gravou. O som pode não ter seguido o punk rock dos Distillers, pois se nota uma produção mais limpa, alguns suaves efeitos eletrônicos e um grupo de músicos mais experiente. Mas, é inevitável e prazeroso recordar sua antiga carreira, pois suas características de gritar, cantar rasgado, com vocal forte e afinado legitimam: esta é Brody!

A demo pode ser ouvida no sitedabanda e vem com quatro canções: Ghetto Love, Valium Knights, Distorting A Code e Bury My Heart. A música que intitula o EP, já possui o videoclipe que resume bem a nova fase de Brody Dalle.

 

Confere:

 

 

***

Vote na enquete sobre a Brody: